Poços de Caldas não acata sugestão do Estado e anuncia permanência na onda amarela

Por Rodrigo Matarazzo em 08/08/2020 às 17:27:43
Governo de MG sugeriu que seis microrregiões do Sul de MG aderissem à onda vermelha no Programa Minas Consciente. Prefeito de Poços de Caldas afirma que cidade vai permanecer na onda amarela do Minas Consciente

Reprodução/Redes sociais

O prefeito de Poços de Caldas, Sergio Azevedo (PSDB), anunciou que a cidade permanecerá na onda amarela do Minas Consciente. A confirmação foi feita pelo chefe do Executivo municipal por meio das redes sociais nesta sábado (8).

A decisão do prefeito ocorreu após o Governo de MG sugerir que pelo menos seis microrregiões do Sul de Minas aderissem, entre os dias 8 e 14 de agosto, à onda vermelha do Minas Consciente, dentre elas a de Poços de Caldas.

"Estou aqui para trazer tranquilidade a todos, pois tudo continuará como está, não vamos precisar retroceder já que temos uns dos melhores índices de todo o estado. É Importante continuarmos seguindo todas as medidas de prevenção para que possam avançar em breve para a onda verde. Contamos com o apoio de todos para vencermos esse desafio", disse Sergio Azevedo em seu perfil oficial.

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura, Poços de Caldas contabiliza 500 contaminações pela Covid-19, sendo 17 mortes em decorrência da doença.

No mesmo anúncio, feito em um vídeo, o prefeito disse que aguarda respostas judiciais em relação ao turismo, para oficializar o retorno das atividades turísticas no Minas Consciente. Havendo a confirmação, Sergio Azevedo destacou que a cidade também vai flexibilizar o turismo.

Sugestão do Governo de MG

O Governo de Minas Gerais sugeriu a pelo menos seis microrregiões do Sul de Minas para que possam aderir à onda vermelha no Programa Minas Consciente, que permite apenas a abertura de serviços essenciais. Para as demais microrregiões do Sul de Minas, a orientação é que sigam a onda amarela, que também permite a abertura de serviços não essenciais.

Para a macrorregião Sul de Saúde, a orientação é que os municípios fiquem na onda amarela. A tomada de decisão sobre qual critério seguir, o recomendado para a macro ou a microrregião, ficará a cargo de cada prefeito.

As orientações divulgadas pelo programa valem entre os dias 8 e 14 de agosto. A sugestão de adesão à onda vermelha vale para os municípios das microrregiões de Poços de Caldas, Alfenas/Machado, Guaxupé, Três Pontas, Pouso Alegre e Três Corações.

Na Onda Vermelha, os municípios só podem abrir serviços essenciais, como supermercados, padarias, farmácias, bancos, depósitos de material de construção, fábricas e indústrias, entre outros.

Já na onda amarela, os municípios podem abrir lojas de artigos esportivos, eletrônicos, floriculturas, autoescolas, livrarias, papelarias, entre outros. Há ainda a onda verde, que permite a abertura de serviços não essenciais com alto risco de contágio, como por exemplo, academias, teatros, cinemas e clubes.

Não aderiram também

As reportagens do G1 e da EPTV, afiliada Rede Globo, entraram em contato com as prefeituras, desmembrando as de Alfenas e Machado, que compõem a mesma microrregião, para saber se aceitariam ou não a sugestão do Governo de MG. Guaxupé, Machado e Três Pontas já haviam decidido por não seguir a orientação.

As prefeituras de Guaxupé e Machado informaram que continuarão seguindo a recomendação para a macrorregião e que vão permanecer na onda amarela. Já a administração municipal de Três Pontas disse que está na onda amarela e não há possibilidade de retroceder para a onda vermelha.

Poços de Caldas havia dito que aguardava o Estado sobre algumas dúvidas e que iria se pronunciar, por meio de nota, sobre qual onda a cidade deve aderir. No entanto, o prefeito fez o anúncio nas redes sociais nesta sábado.

Por outro lado, Pouso Alegre, Alfenas e Três Corações ainda estudam se irão ou não acatar a sugestão do Governo de MG em relação à onda vermelha do Minas Consciente.

Novas regras do programa

Pelas novas regras, novos indicadores norteiam a tomada de decisão, como taxa de incidência Covid-19; taxa de ocupação de leitos UTI Adulto; taxa de ocupação de leitos UTI Adulto por covid-19; leitos por 100 mil habitantes; positividade atual RT-PCR; % de aumento da incidência; e % de aumento da positividade dos exames PCR.

A análise dos dados será feita no âmbito microrregional, que vai agrupar um número menor de cidades para contemplar características mais específicas. Semanalmente, serão divulgados os índices da microrregião e da macrorregião, com ondas recomendadas para cada uma delas, conforme os indicadores. Os prefeitos poderão optar por seguir a recomendação para a macro ou para a microrregião.

Outro ponto importante é o recorte para municípios de até 30 mil habitantes. Esses locais terão a oportunidade de irem para a segunda onda amarela, independentemente da onda em que estiver a sua microrregião, desde que a taxa de incidência não esteja superior a 50 casos para cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Veja mais notícias da região no G1 Sul de Minas

Fonte: G1

ANUNCIE
ANUNCIOU VENDEU 2

Comentários

ANUNCIE